Dúvidas relacionadas ao sensor de pressão? Descubra neste artigo o que é, como funciona e quais são os sintomas de avaria do componente. O sensor de pressão é uma das peças mais importantes dos veículos com sistema de injeção eletrônica. Muitas vezes, a falha desse item compromete o desempenho global do carro e pode chegar até a inviabilizar o seu uso. Você sabe que sensor é esse? Para o que ele serve? Quais são os sinais de defeito? Confira tudo isso neste artigo!

O que é o sensor de pressão?

O Sensor de Pressão Absoluta do Coletor de Admissão, mais conhecido como MAP (Manifold Absolute Pressure), é uma espécie de manômetro que converte a pressão em pulsos elétricos. Trata-se de uma peça que faz parte do sistema de injeção eletrônica de combustível que verifica o vácuo do coletor de admissão. Em outras palavras, ele é um medidor de fluxo de ar que envia informações a central de comando (centralina ou módulo) que, por sua vez, calcula o avanço do ponto de ignição e delimita a quantidade de combustível a ser injetada no motor. O MAP pode ser instalado diretamente no coletor de admissão ou utilizar uma mangueira como conexão. Ao virar a chave do carro, o sensor de pressão é acionado e partir desse momento ele passa a fazer leituras constantes de condições internas e externas ao motor, como pressão atmosférica, temperatura, rotação do motor e densidade do ar.

Para o que ele serve?

O objetivo do sensor de pressão é fornecer informações indispensáveis ao funcionamento do motor. A leitura realizada pelo MAP possibilita que o sistema de injeção eletrônica garanta a melhor combustão dentro das câmaras de explosão. Ou seja, o seu trabalho do sensor de pressão é informar para a central de comando qual a proporção correta entre ar e combustível. Funciona assim: o MAP envia as informações, a central decodifica e devolve os dados em forma de comando para o corpo de borboleta (responsável pela admissão do ar). Simultaneamente, os bicos injetores dispensam a quantidade de combustível determinada pela central.

Quais são os tipos de MAP?

As montadoras de veículos desenvolvem os seus próprios sistemas de injeção. Isso quer dizer que existem diferentes tipos de MAPs. Veja os principais:
  • MAP Analógico (Sensor com Cápsula Piezo-resistiva);
  • MAP Digital: Sensor com Cápsula Capacitiva;
  • Sensor Combinado;
  • Sensor de Vácuo.
Cada um deles é construído de uma maneira. Alguns utilizam diafragmas e resistores. Outros, pequenas placas de alumínio e circuitos internos eletrônicos. O Sensor de Pressão Combinado, por exemplo, integra no seu corpo o sensor de temperatura do ar.

Quais são os sinais de defeito?

Os indicativos de defeito do sensor de pressão podem ser facilmente percebidos pelo condutor. A avaria do MAP acarreta perda de potência do motor, oscilação da marcha lenta, aumento do consumo de combustível e maior emissão de poluentes. Além disso, a luz de alerta da injeção eletrônica se acenderá no painel do veículo. Geralmente, o diagnóstico é realizado por meio do escaneamento do sistema ou do teste isolado do sensor. Por se tratar de uma peça selada, não há possibilidade de reparo. Portanto, para solucionar o problema, o componente deve ser substituída. Como você deve ter percebido, o sensor de pressão é um dos itens mais importantes do veículo. O ideal é ficar atento aos sinais de mau funcionamento e realizar o reparo assim que possível para evitar que outras peças sejam danificadas. Pronto! Agora você já sabe tudo o que precisa sobre essa peça! Que tal descobrir quando a retificação do motor é necessária? Leia o nosso artigo! [/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]]]>