Precisando de um veiculo, mas ainda tem dúvidas sobre qual é o melhor financiamento para comprar um carro?

Leia o artigo e saiba tudo sobre os diferentes tipos, suas vantagens e desvantagens e ainda se liga nas nossas dicas para fazer a melhor escolha para o seu bolso.

Qual é o melhor tipo de financiamento para comprar um carro?

1. Financiamento

rsz_financiamento  

Você pode fazer um financiamento direto com a concessionária ou em bancos.

Vantagem do carro financiado – retirada imediata do veículo.

Desvantagem do financiamento de carros – cobrança de juros que varia não apenas entre as concessionárias e os bancos, mas também com o valor de cada carro. 

O Banco Central disponibiliza uma tabela atualizada de taxas cobradas por cada instituição financeira.

No caso do carro financiado com a concessionária você ainda vai pagar pela comissão do vendedor. 

Sendo assim, se possível, tenha um valor para dar de entrada. Vale até tentar dar o carro usado como entrada. 

Isso faz com que você tenha acesso a juros mais baixos. Dependendo da situação, pode ser mais vantajoso pedir um empréstimo no banco para pagar à vista.

2. Leasing

Leasing Carro

Uma opção ao financiamento é o leasing, que funciona da seguinte maneira:

O banco compra o carro da concessionária e então você paga diretamente à instituição um financiamento para poder usar o veículo.

Vantagem de comprar um carro por leasing – não há cobrança de IOF e você pode financiar até 100% do valor sem precisar dar uma entrada.

Desvantagem do leasing – o carro financiado por leasing só passa para o seu nome ao final do contrato, quando também terminam os seus pagamentos. 

É importante saber que em casos de inadimplência, o veículo pode ser tomado pelo banco em um tempo menor do que aconteceria ao atrasar outros tipos de financiamento.

Como saber se os juros do Financiamento ou do Leasing são abusivos?

Após conhecer essas duas opções, você agora deve estar se perguntando qual é a melhor maneira de financiar um veículo. 

Pois saiba que as instituições financeiras têm a liberdade para praticar valores de financiamento de carros que consideram ideal. Isso acontece porque elas levam em conta a análise do cliente, sua renda, restrições de crédito e outros requisitos.

Com estas informações, elas aplicam uma taxa de juros de acordo com o risco de inadimplência de cada pessoa. 

Mas, para saber se os juros do financiamento do carro são abusivos, você precisa analisar:

  • A taxa Selic informada pelo Banco Central para cada instituição. Se for superior ao informado, você pode estar sendo vítima de um juro abusivo;
  • Se a instituição financeira utiliza juros compostos ou juros sobre juros.

Também é recomendado que você pesquise o maior número possível de instituições financeiras antes de fechar qualquer contrato, busque informação sobre elas em órgãos específicos de proteção ao consumidor e reserve apenas 15% do seu salário no pagamento das parcelas.

Caso você não consiga cumprir com o financiamento do carro, busque ajuda na primeira dificuldade e tente renegociar o financiamento. 

No post Como renegociar o financiamento do carro a gente te explica como fazer.

consorcio carro

3. Consórcio

A terceira e última opção para financiar a compra de um carro é o consórcio. 

O consórcio de carro é um modelo de financiamento onde várias pessoas pagam mensalmente um valor pré-estabelecido durante um prazo determinado em contrato. 

A cada membro do grupo contemplado, é dado a ele o direito de comprar o bem negociado.

Ao comprar um carro por meio de um grupo de consórcio de carro você deve ter em conta que no valor da parcela deve constar as taxas abaixo:

  • Fundo Comum

Acumula recursos suficientes para a compra de um bem. O percentual a ser pago é definido pelo valor integral do bem dividido pelo tempo de duração do grupo. 

Para você entender melhor, vamos imaginar que o valor de um carro seja R$40 mil. Agora é só dividir 100% por 60 meses, que é o tempo estabelecido em contrato para este consórcio. 

Ao fazer essa conta, vemos que a taxa de Fundo Comum será de  1,6%.

  • Taxa de Administração

É a porcentagem que remunera a administradora do consórcio pelos serviços que ela presta durante a gestão do grupo. 

Usando o exemplo anterior, vamos imaginar que a taxa de administração seja de 10% o valor do carro e que ela  deve ser paga durante 60 meses. Se dividirmos 10% por 60 meses, temos uma taxa administrativa mensal de 0,16%.

  • Fundo de Reserva

A ideia aqui é montar um fundo de reserva para casos de emergências. Vamos imaginar que a taxa do Fundo de Reserva estabelecida em contrato é de 5% do valor do carro. 

Da mesma forma, basta dividir 5% por 60 meses e teremos uma taxa de 0,08%.

  • Seguro

Os consórcios cobram por basicamente por dois tipos de seguros: o de quebra (inadimplência) e o de vida (quando um membro do grupo morre). 

Não temos como fazer o cálculo dessa taxa porque, além de variar de acordo com o veículo, ela também varia de acordo com o grupo envolvido.

  • Taxa de Adesão

Ela é pouco mencionada, mas é bom você saber que ela existe. 

Essa é a taxa que você paga por participar de um consórcio e geralmente ela é descontada da taxa de administração.

Também não temos como calcular o valor porque depende do tipo do automóvel e do grupo.

Vantagem – não há cobrança de juros, apenas das taxas mencionadas acima (soma das taxas de Fundo Comum, Administração e Fundo Reserva).

Desvantagem – você não consegue retirar o carro imediatamente, ao menos que você ofereça um lance maior que o valor pago mensalmente.

Dica: verifique se a administradora do consórcio de carros tem restrições de crédito. 

Além disso, o contrato deve especificar as taxas de administração, o valor das prestações, os reajustes previstos  e quais as formas de contemplação, ou seja, sorteio ou lance.

Agora que já conhece as diferentes formas de pagamento, confira um resumo sobre cada tipo de financiamento para comprar um carro:

tipos de financiamentos

Para que você descubra qual é a melhor opção que se encaixa às suas finanças, veja quanto ficaria comprar um carro em cada uma dessas modalidades em uma simulação de financiamento de um carro de R$40 mil.

comparativo financiamentos

Outros gastos a considerar antes de financiar a compra de um carro 

Para não dar um passo maior que a perna, é importante ter em mente que a parcela do financiamento não é a sua única despesa.

Junte à ela gastos com manutenção, combustível, gasolina, seguro auto, além é claro, dos seus outros compromissos financeiros.

Tudo isso deve ser levado em conta no momento de escolher qual é o melhor financiamento para você comprar seu carro.

Se o financiamento for para comprar um carro novo, considere também valores para o emplacamento e a documentação.

Aqui no blog a gente te explica com detalhes quanto custa e como economizar com isso:

Meu carro novo: como emplacar o carro sem contratar um despachante.

4 dicas importantes para quem vai financiar a compra de um carro

  • Dê o valor mais alto que você puder como entrada para conseguir parcelas e juros melhores;
  • Não faça um financiamento maior que o prazo de 4 anos ou o seu carro estará desvalorizado antes mesmo de terminar de pagar;
  • Pesquise muito antes de optar por um financiamento, principalmente as taxas de juros de cada empresa;
  • Se puder esperar, junte dinheiro para comprar à vista ou dê preferência pelo consórcio, pois ainda são as formas mais vantajosas para comprar um carro.

Leia também:

5 erros que você não deve cometer ao comprar um carro.

Comprar carros em leilões: vale a pena?